VIDAS (NÃO) COMUNS NO ESTADO DE EXCEÇÃO: Resistência Ficcionais e Projetos de Nações em <i>Morangos Mofados</i>, de Caio Fernando Abreu e <i>Stella Manhattan</i>, de Silviano Santiago

(NON) COMMON LIVES IN THE STATE OF EXCEPTION: Fictional Resistance and Nations Projects in Morangos Mofados, by Caio Fernando Abreu and Stella Manhattan by Silviano Santiago

  • André Nascimento

Resumo

O golpe civil-militar de 1964 foi paradigmático no reforço dos papéis de gênero na sociedade brasileira, especialmente no exercício da heterossexualidade e masculinidade como vetores fundamentais na construção do sujeito nacional idealizado. Nessa perspectiva, este ensaio aborda as questões de resistência e demanda por direitos no campo sócio-textual, dialogando com a lógica de nação e narração defendida por Homi Bhabha (2000). Nessa ótica, a narrativa sugere outro modo operandi da nação através do papel re-significativo potencializado pelos artefatos culturais. Assim, argumento que Morangos mofados, de Caio Fernando Abreu (1982) e Stella Manhattan (1994 [1985]), de Silviano Santiago atuam como mediações ficcionais no contexto histórico e sociocultural da (des)construção das noções de gênero e sexualidade no Brasil de 1964-1985. Com uma proposta de subversão literária, os textos (re)constroem rotas de fuga em realidades ficcionais para que sexualidades e performances de gênero não-conformantes fossem também deslumbradas na realidade material durante o estado de exceção.


Abstract


Brazil’s 1964 civic-military coup was paradigmatic in the reinforcement of gender roles within Brazilian society, in particular in regards of heterosexuality and masculinity performance as key vectors in the construction of the idealized national subject. In this vein, this essay broaches questions of resistance and claims for rights in the socio-textual ground, dialoguing with the logic of nation and narration proposed by Homi Bhabha (2000). In this perspective, narratives suggest other modo operandi for the nation through the resignification potential of cultural artifacts. Hence, I argue that Morangos mofados, by Caio Fernando Abreu (1982) and Stella Manhattan (1994 [1985]), by Silviano Santiago serve as fictional mediations in the historical and sociocultural context of the (de)construction of gender and sexuality notion during 1964-1985 Brazil. With this proposal of literary subversion, these texts (re)construct escape routes in fictional realities so that sexualities and non-conforming gender performances could be also imagined in the material realities during the state of exception.

Referências

ABREU, Caio Fernando. Morangos mofados. Agir: Rio de Janeiro, 1982.

AGAMBEN, Giorgio. Homo sacer: O poder soberando e a vida nua. Trad. Henrique Burigo. Editora da UFMG: Belo Horizonte, 2007.

AVELAR, Idelber. Untimely Present: Postdictatorial Latin American Fiction and the Task of Mouning. Duke University Press: North Carolina, 1999.

BARRETO, Bruno. O que é isso companheiro? Sony Pictures, Columbia Pictures, e Miraxa, 1997.

BHABHA, Homi. Nation and narration. Routledge, London, 2000.

BOSI, Alfredo. Literatura e resistência. Companhia das Letras, São Paulo, 2002.

COWAN, Benjamin. “Homossexualidade, ideologia e “subversão” no regime militar”. In: Green, James N. and Quinalha, Renan. Ditadura e homosexualidades: repressão, resistência e a busca da verdade. Edufscar, São Paulo, pp. 27-52, 2015.

DANIEl, Herbert. Meu corpo daria um romance. Rocco: Rio de Janeiro, 1984.
______. Passagem para o próximo sonho. Rocco: Rio de Janeiro, 1982.

FIGARI, Carlos. @s Outr@s Cariocas: Interpelações, experiências e identidades homoeróticas no Rio de Janeiro Séculos XVII ao XX. Editora UFMG, 2007.

FOUCAULT, Michel. Discipline and Punish: The Birth of the Prison. Trans. by Alan Sheridan. New York: Vintage Books. 1977.

______. História da Sexualidade vol. I: A vontade de saber. Tradução de Maria Theresa da Costa de Albuquerque e J.A. Guilhon Albuquerque. 13a edição, Edições Graal: Rio de Janeiro, 1999 [1984].

GABEIRA, Fernando. O que é isso companheiro? Companhia das Letras: Rio de Janeiro, 2009 [1979].

HOLSTON, James. Insurgent Citizenship: Disjunctions of Democracy and Modernity in Brazil. Princeton University Press: New Jersey, 2008.

HUNT, Lynn. Inventing Human Rights: A History. Norton Company, 2008.

NASCIMENTO, André. “O macho performático: a ditadura e a homossociabilidade em “Sargento Garcia”, de Caio Fernando Abreu”. In: Revell – Revista de Estudos Literários da Universidade Estadual do Mato Grosso do Sul. V.2, n. 19, p. 117-138 – Representações da Masculinidade em Literaturas Lusófonas, 2018. Disponível em: http://periodicosonline.uems.br/index.php/REV/article/view/2862.

QUINALHA, Renan. “A questão LGBT no trabalho da memória e justiça após a ditadura brasileira”. In: Green, James N. and Quinalha, Renan. Ditadura e homosexualidades: repressão, resistência e a busca da verdade. Edufscar, São Paulo, pp. 245-72, 2015.

SANTIAGO, Silviano. Stella Manhattan. Translated by George Yúdice, Duke University Press: 1994 [1985].

RICH, Adrienne. “Compulsory heterosexuality and Lesbian Existance”. In: Signs, vol. 05, No. 04, Women: Sex and Sexuality – Chicago Press University, Chicago, 1980.

SEDGWICK, Eve Kosofsky. English Men: English Literature and Male Homosocial Desire. New York. Columbia University Press, 1985.
Como Citar
NASCIMENTO, André. VIDAS (NÃO) COMUNS NO ESTADO DE EXCEÇÃO: Resistência Ficcionais e Projetos de Nações em Morangos Mofados, de Caio Fernando Abreu e Stella Manhattan, de Silviano Santiago. Episteme Transversalis, [S.l.], v. 10, n. 1, abr. 2019. ISSN 2236-2649. Disponível em: <http://revista.ugb.edu.br/index.php/episteme/article/view/1294>. Acesso em: 19 jul. 2019.