TRANSTORNOS MENTAIS NAS REDES SOCIAIS: Da Invisibilidade à Superexposição

MENTAL DISORDERS IN SOCIAL NETWORKS: From Invisibility to Overexposure

  • Camila Fortes Monte Franklin

Resumo

Os dramas e as preocupações de hoje não são os mesmos de 100 anos atrás. A forma com que a sociedade lida com as questões do mundo foi se modificando de acordo com o tempo e, assim, a cada época, existe a sua maneira de lidar com os sofrimentos da mente. As redes sociais se tornaram uma válvula de escape, identificação e, ao mesmo tempo, um campo de reconhecimento de si através do olhar do outro. O presente artigo tem como objetivo refletir sobre como os transtornos mentais saíram do campo da invisibilidade para uma superexposição em rede, considerando as transformações do sofrimento psíquico e as redes sociais como um campo de interação. Através de uma revisão bibliográfica do pensamento e dos conceitos dos seguintes autores, esta pesquisa visa identificar como se deu esse processo de transformação ao longo das décadas e como as redes sociais atingiram esse processo. São eles: o sofrimento psíquico por Sigmund Freud (1930) e Christian Dunker (2015), o circuito dos afetos por Vladimir Safatle (2015), a cultura do narcisismo em Christopher Lasch (1979) e, por fim, as redes sociais como ferramenta de aproximação com Rodriguez (2015).


Abstract


 Today's dramas and worries are not the same as 100 years ago. The way in which society deals with the issues of the world has been changing according to time, and thus in every age there is its way of dealing with the sufferings of the mind. Social networks have become a valve of escape and identification and, at the same time, a field of self-recognition through the eyes of the other. This article aims to reflect on how mental disorders have moved from the invisibility field to a network overexposure, considering the transformations of psychic suffering and social networks as a field of interaction. Through a bibliographical review of the thinking and concepts of the following authors, this research aims to identify how this transformation process took place over the decades and how social networks reached this process. They are: psychic suffering by Sigmund Freud (1930) and Christian Dunker (2015), the circuit of affections by Vladimir Safatle (2015), the culture of narcissism in Christopher Lasch (1979) and, finally, social networks as a tool of approximation with Rodriguez (2015).

Referências

DUNKER, Christian. Mal-estar, sofrimento e sintoma: Uma psicopatologia do Brasil entre muros. São Paulo: Boitempo, 2015.

_________________. Reinvenção da intimidade: políticas do sofrimento cotidiano. São Paulo: Ubu Editora, 2017.

FREUD, Sigmund (1930). O mal-estar na civilização. In: Obras psicológicas completas de Sigmund Freud: edição standard brasileira. Rio de Janeiro: Imago, 1996

LASCH, Christopher (1979). A Cultura do Narcisismo. Rio de Janeiro: Imago, 1983.

RODRIGUEZ, Pablo Esteban. Espetáculo do Dividual: Tecnologias do eu e vigilância distribuída nas redes sociais. In: Revista Eco Pós/Tecnopolíticas e Vigilância, v. 8, nº 2, 2015, Rio de Janeiro, p. 57-68.

SAFATLE, Vladimir. Grande Hotel Abismo: por uma reconstrução da teoria do reconhecimento. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2015.
Como Citar
FRANKLIN, Camila Fortes Monte. TRANSTORNOS MENTAIS NAS REDES SOCIAIS: Da Invisibilidade à Superexposição. Episteme Transversalis, [S.l.], v. 10, n. 1, abr. 2019. ISSN 2236-2649. Disponível em: <http://revista.ugb.edu.br/index.php/episteme/article/view/1296>. Acesso em: 19 jul. 2019.