O GOVERNO DOS CORPOS DAS “MÃES DO CRACK”: A Produção de um Novo Inimigo Social

THE GOVERNMENT OF BODIES OF CRACK MOTHERS: The Production of a New Social Enemy

  • Zelia Freire Caldeira

Resumo

Este artigo tem como objetivo apresentar alguns subsídios que possam contribuir para o debate sobre a produção das “Mães do Crack” como um novo inimigo social. As análises seguem as propostas conceituais de Foucault e Deleuze, em particular os estudos sobre as relações de poder, as produções subjetivas e a sujeição. Na esteira conceitual de tais autores, a constituição do sujeito usuário de drogas e suas relações com o mundo são aqui pensadas como produções históricas, datadas, e não como um estado tecnicamente definível, considerando, portanto, os processos históricos, as formações discursivas na produção de saberes legitimados como “verdades” e as relações de poder nesse contexto.


Abstract


This article aims to present some subsidies that could contribute to the debate about the production of "Mothers of Crack" as a new social enemy. The analyzes follow the conceptual proposals of Foucault and Deleuze, in particular the studies on the relations of power, the subjective productions and the subjection. In the conceptual framework of such authors, the constitution of the drug user subject and his relations with the world are here thought of as historical, dated productions, not as a technically definable state, thus considering historical processes, discursive formations in production of legitimized knowledge as "truths" and the relations of power in this context.

Referências

BASTOS, F. I., & BERTANI, N. (2014). Pesquisa nacional sobre o uso de crack: quem são os usuários de crack e/ou similares do Brasil? Quantos são nas capitais brasileiras? In: Fundação Osvaldo Cruz (FIOCRUZ) em parceria com a Secretaria Nacional de Álcool e outras Drogas (SENAD). Disponível em: http://www.obid.senad.gov.br/portais/OBID/biblioteca/documentos/Relatorios/329786.pdf Acesso em 26 ago. 2018.

BATAILLE, G. (1957/1960). El erotismo. Buenos Aires: Sur Editorial. Debord, G. (1997). A sociedade do espetáculo. Rio de Janeiro: Contraponto.

BAUMAN, Zigmunt. O mal-estar da pós-modernidade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar ed., 1998.
BRASIL, Presidência da República, Casa Civil, Subchefia para Assuntos Jurídicos. Lei nº 10216/2001. Brasília, DF.
Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/LEIS_2001/L10216.htm
Acesso em 12 jul.2015
COUTO, A.; LEMOS, F.; COUTO, M. Biopoder e Práticas Reguladoras do Uso de Drogas no Brasil: Algumas Análises de Projetos de Lei. Rev. Polis e Psique, 2013; 3(2):132-15.

D’ÁVILA NETO. O autoritarismo e a mulher: o jogo da dominação macho-fêmea no Brasil. Achiamé, 1980.

DELEUZE, G. Post-Scriptum sobre as Sociedades de Controle. Conversações: 1972-1990. Rio de Janeiro: Ed. 34, 1992, p. 219-226. Tradução de Peter Pál Pelbart.

___________. História da Sexualidade I: A Vontade de Saber. 11.ª ed. Rio de Janeiro: Graal, 1988.

FEDERICI, SÍLVIA. Calibã e a Bruxa: mulheres, corpo e acumulação primitiva, 2004. Tradução do coletivo Sycoraxhttp://coletivosycorax.org/indice/

FOUCAUT, M. Direito de morte e poder sobre a vida. In: História da Sexualidade I: A Vontade de Saber. 11.ª ed. Rio de Janeiro: Graal, 1988.

FOUCAUT, M. Dits et écrits III. Paris, Gallimard, 1994.

FOUCAUT, M.A verdade e as formas jurídicas. Rio de Janeiro: Nau, 1999.

FOUCAUT, M. Os anormais. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

FOUCAUT, M. Ditos e escritos: estratégia, poder-saber. Tradução Vera Lucia Avelar Ribeiro. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2003.

FOUCAUT, M. Em defesa da sociedade. Curso no College de France (1975-1976). Tradução Maria Ermantlna Galvão. São Paulo, Martins Fontes, 2005.

KRAMER, H., SPRENGER, J. O martelo das feiticeiras: malleus maleficarum. 3. ed., Rio de Janeiro: Editora Rosa dos Tempos, 1991, p. 143-144.

KRISTEVA, J. Poderes de la perversión. México: Siglo Veintiuno, 1988.
LE GOFF, Jacques; TRUONG, Nicolas. Uma história do corpo na Idade Média. Rio de janeiro: Civilização Brasileira, 2006.

LEMOS, F. C. S. Crianças e adolescentes entre a norma e a lei: uma análise foucaultiana / Flávia Cristina Silveira Lemos. Tese de Doutorado – Faculdade de Ciências e Letras de Assis - Universidade Estadual Paulista, Assis, 2007.

MACEDO, F. S. DE; ROSO, A.; LARA, M. P. DE. Mulheres, saúde e uso de crack: a reprodução do novo racismo na/pela mídia televisiva. Saúde Soc; 24(4): 1285-1298, oct.-dic. 2015.

MICHELET. A feiticeira. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1992.

PINTO-COELHO, M. Z. S. Género no discurso das campanhas anti-droga. Cadernos do Noroeste. Braga, v. 20, n. 3, p. 433-466, 2004

RENNER F.W. et al. Repercussões neonatais do uso materno de crack. Boletim Científico de Pediatria - Vol. 1, N° 2, 2012.
RODRIGUES, R.C.O estado penal e a sociedade de controle: o Programa Delegacia Legal como dispositivo de análise. Editora Revan, 2009.

RUI, T. Nas tramas do crack: etnografia da abjeção. São Paulo, Terceiro Nome, 2014.
Como Citar
CALDEIRA, Zelia Freire. O GOVERNO DOS CORPOS DAS “MÃES DO CRACK”: A Produção de um Novo Inimigo Social. Episteme Transversalis, [S.l.], v. 10, n. 1, abr. 2019. ISSN 2236-2649. Disponível em: <http://revista.ugb.edu.br/index.php/episteme/article/view/1311>. Acesso em: 19 jul. 2019.