A AGROECOLOGIA E A AGRICULTURA FAMILIAR COMO RECURSO PARA O DESENVOLVIMENTO REGIONAL: Cenário de incentivos e de protagonismo no município de Guarapuava - PR

THE AGROECOLOGY AND A FAMILY AGRICULTURE AS THE RESOURCE FOR REGIONAL DEVELOPMENT: Incentives Scenario and Protagonism of the Local Community

  • Allison John de Sousa
  • Larine de Lara
  • Sônia Maria Hey
  • Argos Gumbowsky

Resumo

A relevância dos processos da agricultura familiar e do cooperativismo como meio para o desenvolvimento regional é o propósito da investigação apresentada neste artigo. Está estruturado a partir da descrição e articulação entre agroecologia, agricultura familiar, cooperativismo e desenvolvimento regional, temas permeados pelos respectivos contextos e práticas. Na pesquisa documental, buscou subsídios e verificação do cumprimento e/ou proposição de políticas públicas acerca da temática, identificando-se cenário de incentivos e protagonismo da comunidade local. O cerne do estudo está sustentado em aportes teóricos para a proposição da agricultura familiar como possibilidade de operacionalizá-la à instrumento que possa posicionar devidamente a agroecologia e a agricultura familiar no cenário do desenvolvimento regional. A correlação reside no cumprimento e fortalecimento das políticas públicas e na ampliação dos sistemas de planejamento, de cooperação e de gestão, que transcenda a centralidade dos organismos governamentais. Às reflexões acerca do tema, nesse estudo propõe-se um possível caminho, justo, coerente, de valorização do potencial local, em especial o capital humano, e de (re)posicionamento democrático e de pertinência social da agroecologia e da agricultura familiar nas políticas públicas para o produtor rural e para o desenvolvimento regional. Os fundamentos dessa proposta têm base na expectativa de qualidade de vida, vista no sentido científico e social.


Abstract


The relevance of the processes of family agriculture and cooperativism as a means for regional development is the purpose of the research presented in this article. It is structured from the description and articulation between agroecology, family agriculture, cooperativism and regional development, themes permeated by the respective contexts and practices. In documentary research, he sought subsidies and verification of the compliance and/or proposal of public policies on the subject, identifying the incentive scenario and protagonism of the local community. The core of the study is based on theoretical contributions to the proposal of family agriculture as a possibility to operationalize it to the instrument that can properly position agroecology and family agriculture in the scenario of regional development. The correlation lies in the fulfillment and strengthening of public policies and in the expansion of planning, cooperation and management systems, which transcends the centrality of government agencies. In this study, a possible fair, coherent way of valuing local potential, especially human capital, and of (re) democratic positioning and social relevance of agroecology and family agriculture in policies rural producers and regional development. The basis of this proposal is based on the expectation of quality of life, seen in the scientific and social sense.

Referências

BASTOS, T.L.; FAJARDO, S.. A Agricultura Familiar no contexto da modernização, suas alternativas e perspectivas: A realidade agrária do município de Guarapuava-Pr. Anais do XIV Encontro de anual de Iniciação Científica, Universidade Estadual do Centro-Oeste, 2010. Disponível em: https://anais.unicentro.br/xixeaic/pdf/111.pdfAcesso em: 10 de março de 2017.

BERGAMASCO, S. M. P. P., BORSATTO, R. S. e ESQUERDO, V. F. S. Políticas públicas para a agricultura familiar no Brasil: reflexões a partir de estudos de casos no estado de São Paulo. Revista Interdisciplinaria de Estudios Agrários. Buenos Aires-Argentina, n. 38, p. 25-50, 2013.

BRASIL. Lei nº 11.326, de 24 de julho de 2006. Brasília, 2006. Disponível em: . Acesso em: 07 set. 2018.

______. Lei nº 11.947 de 16 de junho de 2009. Brasília-DF, 2009. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2009/Lei/L11947.htmAcesso em: 15 maio 2018.

______. Atlas do Desenvolvimento Humano. Índice de Desenvolvimento Humano Municipal Brasileiro. – Brasília: PNUD, Ipea, FJP, 2013a. http://www.pnud.org.br/arquivos/idhm-brasileiro-atlas-2013.pdf Acesso em 12 set. 2018.

______. Agricultura familiar ocupava 84,4% dos estabelecimentos agropecuários. Agência IBGE – Notícias, 2013b. Disponível em: https://agenciadenoticias.ibge.gov.br/agencia-sala-de-imprensa/2013-agencia-de-noticias/releases/13721-asi-agricultura-familiar-ocupava-844-dos-estabelecimentos-agropecuarios Acesso em 08 set. 2018.

______.Emater. Portal do Governo, 2017. Disponível em: . Acesso em: 07 set. 2018.

______. Alimentação escolar. Secretaria Especial de Agricultura Familiar e Desenvolvimento Agrário - Casa Civil, 2018. Disponível em: . Acesso em: 07 set. 2018.

BELIK, W.. PRONAF: Avaliação da operacionalização do programa. In: CAMPANHOLA, C. e GRAZIANO da SILVA, J. (Orgs.). O Novo Rural Brasileiro – Políticas Públicas. Jaguariúna: Embrapa, volume 4, p. 93-116, 2000.

BOISIER, S. Em busca do esquivo desenvolvimento regional: entre a caixa negra e o projeto político. Caribe, Mimeo, 1995.

CAPORAL, F.R; COSTABEBER, J.R. Agroecologia e Extensão: rural contribuição para a promoção do desenvolvimento rural sustentável. EMATER. Porto Alegre, 2004.

COSTA, B.A.L.; AMORIM JUNIOR, P.C.G.; SILVA, M.G. As Cooperativas de Agricultura Familiar e o Mercado de Compras Governamentais em Minas Gerais. BRASÍLIA, v. 53, mar. 2015.

DIAS SOBRINHO, J.. Universidade fraturada: reflexões sobre conhecimento e responsabilidade social. Avaliação, Campinas; Sorocaba, SP, v. 20, n. 3, nov. 2015. 581-601.

DOWBOR, L.. Desenvolvimento local e a racionalidade econômica. 2006, 4p. Disponível em: http://dowbor.org/2006/10/desenvolvimento-local-e-racionalidade-economica-doc.html/ Acesso em: 20 jun. 2018.

FERREIRA, J; et al. Programa Paranaense de Certificação de Produtos Orgânicos, Núcleo de Guarapuava: Relato de Experiências. Cadernos de Agroecologia. Vol 9, No. 1, 2014. Disponível em: file:///C:/Users/Sonia%20Hey/Downloads/15498-1-64644-1-10-20140629%20(3).pdfAcesso em 13/09/2018.

FILGUEIRA, F.A.R.. Novo manual de olericultura. 3. ed. Viçosa: Universidade Federal de Viçosa (UFV), 2000. p. 418.

FOLADORI, G.. O metabolismo com a natureza. Crítica marxista. São Paulo, v.1, n. 12, 2001, p.105-117. Disponível em: https://www.ifch.unicamp.br/criticamarxista/arquivos_biblioteca/artigo7505folad.pdfAcesso em: 06 de set. 2018.

FRIGOTTO, G.; GENTILI, P. A Cidadania negada: políticas de exclusão na educação e no trabalho. 3 ed. São Paulo: Cortez; Buenos Aires, Argentina: Clacso, 2002.

FURTADO, C. O mito do desenvolvimento econômico. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1974.

GADOTTI, M. História das ideias pedagógicas. 8 ed. São Paulo: Ática, 2002.

GRISA, C.. As políticas públicas para a agricultura familiar no Brasil: um ensaio a partir da abordagem cognitiva. Desenvolvimento em Debate. v. 1, n. 2, jan./abr. e maio/ago., p. 83-109, 2013.

GUARAPUAVA. Mais de 30% dos alimentos da merenda escolar em Guarapuava são da agricultura familiar. Prefeitura de Guarapuava, 2017. Disponível em: . Acesso em: 07 set. 2018.

______. Programa melhora qualidade de vida dos pequenos produtores. Prefeitura de Guarapuava, 2018a. Disponível em: . Acesso em: 06 set. 2018.

______. Merenda escolar. Prefeitura de Guarapuava, 2018b. Disponível em: . Acesso em: 06 set. 2018.

JORNAL EXTRA GUARAPUAVA. Agroindústria de Guarapuava faz sucesso com embutidos e frangocaipira. Guarapuava, 2018. Disponível em: . Acesso em: 06 set. 2018.

KAGEYAMA, A.A.; BERGAMASSO, S.M.P; OLIVEIRA, J.T.A. Uma tipologia dos estabelecimentos agropecuários do Brasil a partir do censo de 2006. Revista de Economia e Sociologia Rural, Piracicaba-SP, v. 51, n. 1, p. 105-122, jan./mar. 2013.

LAMARCHE, H. (Coord.). A agricultura familiar: comparação internacional. Tomo I. Trad. TIJIWA, A.M. N. Campinas: Ed. da Unicamp, 1993.

MATTEI, L. Impactos do Pronaf: análise de indicadores. Brasília: MDA/NEAD, 2005.

MARCONI, M. A.; LAKATOS, E. M.. Metodologia do trabalho científico: procedimentos básicos, pesquisa bibliografia, projeto e relatório, publicações e trabalhos científicos. 6.ed. São Paulo: Atlas, 2006.

MARSHALL, A. Princípios da Economia: Tratado introdutório. v. 2. São Paulo: Abril Cultural, 1982.

OLIVEIRA, A.E.A. Marxismo e questão regional. Lutas Sociais, São Paulo, vol.19 n.35, p.112-128, jul./dez. 2015. Disponível em: https://revistas.pucsp.br/index.php/ls/article/view/26682/pdf Acesso em: 07 set. 2018.

PENTEADO, S.R. Agricultura Orgânica. Universidade de São Paulo, USP, Piracicaba, SP. 44p, 2001.

PRADO JUNIOR, C. História e desenvolvimento. São Paulo: Editora brasiliense, 1972.

REIS, J.C. As identidades do Brasil 1: De Varnhagem a FHC. 9º Edição. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2007.

RODRIGUES, M.C.P. O índice do desenvolvimento humano (IDH) da ONU. Revista Conjuntura Econômica. Rio de Janeiro, julho/1993.

SAVIANI, D. Escola e Democracia. Campinas, Autores Associados, 2008.

SANTOS, S.R.; COSTA, M.B.S.; BANDEIRA, G.T.P.. As formas de gestão do programa nacional de alimentação escolar (PNAE). Rev. Salud Pública. 2016, vol.18, n.2, pp.311-320.

SOUZA, N.J. Desenvolvimento econômico. 5ª. ed. São Paulo: Atlas, 2005.

TERRES, J.. O sol brilha para todos: A realidade da agricultura familiar em Guarapuava. Central Cultura de comunicação. Guarapuava, 2018 - Diário. Disponível em: . Acesso em: 07 set. 2018.
Como Citar
SOUSA, Allison John de et al. A AGROECOLOGIA E A AGRICULTURA FAMILIAR COMO RECURSO PARA O DESENVOLVIMENTO REGIONAL: Cenário de incentivos e de protagonismo no município de Guarapuava - PR. Episteme Transversalis, [S.l.], v. 10, n. 1, abr. 2019. ISSN 2236-2649. Disponível em: <http://revista.ugb.edu.br/index.php/episteme/article/view/1312>. Acesso em: 21 maio 2019.