ANÁLISE DA TRADUÇÃO DE HARRY POTTER E AS RELÍQUIAS DA MORTE

ANALYSIS OF THE TRANSLATION OF HARRY POTTER AND THE DEATHLY HALLOWS

  • Julia Moura Rodrigues
  • Alíria de Britto Duque

Resumo

O presente trabalho tem como objetivo fazer uma análise da tradução do livro Harry Potter e as Relíquias da Morte, no qual foram analisadas as traduções em que houve perda ou desvio de semântica, a tradução de palavras originais do livro e as traduções voltadas para o contexto sociocultural do público alvo. Além disso, verificar se a tradutora optou por escolher traduções mais literais ou livres e, dessa forma, discutir a questão da visibilidade do tradutor e a que ponto sua autonomia deve intervir no significado do texto original.


Abstract


The present work aims to analyze the translation of the book Harry Potter and the Deathly Hallows, however, when it comes to a translation as a translation of the book, as an automatic translation of words, a book and a translation aimed at the context. the target audience. Also, check if the translator has chosen to print more literals or free and thus issue a question of visibility of the translator and a point of their autonomy should not have the meaning of original text.

Referências

ALVES, Fábio; MAGALHÃES, Célia; PAGANO, Adriana. Traduzir com autonomia. Contexto.2000.

ARROJO, Rosemary. Oficina de Tradução.4.ed. São Paulo: Ática, 2003.

______. Tradução, Desconstrução e Psicanálise. Rio de Janeiro: Imago, 1993.

CAMPOS, Geir. Como Fazer Tradução. Rio de Janeiro: Vozes, 1986.

OMELETE - Omelete entrevista: Lia Wyler, a tradutora de Harry Potter. Disponível em: . Acesso em: 27 ago. 2017.

ROWLING, J.K. Harry Potter and the Deathly Hallows.1 ed. New York,USA: Arthur A.Levine Books, 2007.

______. Harry Potter e as Relíquias da Morte. 1 ed. Rio de Janeiro: Rocco, 2007.
Como Citar
RODRIGUES, Julia Moura; DUQUE, Alíria de Britto. ANÁLISE DA TRADUÇÃO DE HARRY POTTER E AS RELÍQUIAS DA MORTE. Episteme Transversalis, [S.l.], v. 9, n. 2, set. 2018. ISSN 2236-2649. Disponível em: <http://revista.ugb.edu.br/index.php/episteme/article/view/977>. Acesso em: 21 nov. 2018.