O CÂNCER COMO DOENÇA CRÔNICA NÃO-TRANSMISSÍVEL E SUAS TENDÊNCIAS NO CAPITALISMO

CANCER AS CHRONIC DISEASE NOT TRANSMISSIBLE AND ITS TRENDS IN CAPITALISM

  • Luciana da Silva Alcantara
  • Jorge Cavalcante da Silva

Resumo

O presente artigo propõe a problematização do câncer enquanto doença crônica não-transmissível na sociedade capitalista. O caráter tecnológico de que vem se revestindo a atenção hospitalar, especialmente na alta complexidade, também é analisado sob a perspectiva dialética, de modo a contemplar as suas repercussões para os pacientes atendidos pelo Sistema Único de Saúde. Considera-se que a área da Saúde, enquanto política pública, encontra-se atravessada pela lógica mercantil, a despeito dos grandes avanços trazidos pelo SUS, que desde a sua formulação inicial já admitia a complementaridade entre os sistemas público e privado, uma forte contradição em relação ao seu princípio de universalidade.


Abstract


This article proposes the problematization of cancer as a non-transmissible chronic disease in capitalist society. The technological character of hospital care, especially in high complexity, is also analyzed from a dialectical perspective, in order to contemplate its repercussions for the patients served by the Unified Health System. It is considered that the health area, as a public policy, is crossed by the mercantile logic, in spite of the great advances brought by the SUS, which from its initial formulation already admitted the complementarity between the public and private systems, a strong contradiction in relation to its principle of universality.

Referências

ALCANTARA, L. S; VIEIRA, J. M. W; Serviço Social e Humanização na Saúde: limites e possibilidades. Textos & contextos (Posto Alegre), [S.I.], V.12, n.2, p.334-348, dez. 2013.

______.Sem voz e sem vez: a mutilação no câncer de laringe e a (des)proteção social dos trabalhadores. [Tese de Doutorado]. Programa de Pós Graduação em Serviço Social da UERJ, 2017.

ALMEIDA, E. P.; BICUDO, E. Psicoesfera e medicina: meio construído urbano e congressos médicos na América Latina. Revista Geográfica Venezuelana. Venezuela, v. 51, n. 2, 2010, p. 179-201.

ALVES, C. G, MORAIS NETO, O. L. M. Tendência da mortalidade prematura por doenças crônicas não transmissíveis nas unidades federadas brasileiras. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, 20 (3), p. 641-654, mar. 2015.

AZEVEDO, P. F. et al. A cadeia de saúde suplementar no Brasil: avaliação de falhas de mercado e propostas de políticas. Centro de Estudos em Negócios do Insper, White Paper, n. 1, São Paulo, maio 2016. Disponível em: . Acesso em 13 maio 2018.

BARRETO, E.M.T. Acontecimentos que fizeram a história da Oncologia no Brasil: Instituto Nacional de Câncer (INCA). Revista Brasileira de Cancerologia 2005; 51(3): 267-275.


BARROS, J. A. C. Pensando o processo saúde doença: a que responde o modelo biomédico?. Saude soc., São Paulo, v. 11, n. 1, p. 67-84, jul.2002.

BEHRING, E. R.; BOSCHETTI, I. Política social no Brasil contemporâneo: entre a inovação e o conservadorismo. In: BEHRING, E. R.; BOSCHETTI, I. (Org.). Política social: fundamentos e história. 5. ed. São Paulo: Cortez, p. 147-191, 2008.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 05 out. 1988.Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/Constituicao.htm. Acesso em: 16 jan. 2018.

______. Lei nº 8080, de 19 de setembro de 1990 [1990]. Diário Oficial da República Federativa do Brasil. Dispõe sobre as condições para promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o financiamento dos serviços correspondentes e das outras providências. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 19 set. 1990.


______. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Política Nacional de Promoção da Saúde. 3a. ed. Brasília: Ministério da Saúde, 2010.

______. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Análise de Situação de Saúde. Plano de ações estratégicas para o enfrentamento das doenças crônicas não transmissíveis (DCNT) no Brasil 2011-2022. Brasília: Ministério da Saúde, 2011. 160p. Disponível em:. Acesso em: 13 ago. 2018.

______. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Instituto Nacional de Câncer. Coordenação de Prevenção e Vigilância. A situação do câncer no Brasil/Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Instituto Nacional de Câncer, Coordenação de Prevenção e Vigilância. Rio de Janeiro: INCA, 2006.


BRAVO, I. S.; MATOS, M. C. de. Projeto ético-político do serviço social e sua relação com a Reforma Sanitária: elementos para o debate. In: MOTA, A. E. et al. (Org.). Serviço Social e Saúde: formação e trabalho profissional. São Paulo: OPAS/OMS, Ministério da Saúde, 2006.

GADELHA, C. A. G. et al. A relação entre saúde e desenvolvimento: um novo olhar para as políticas públicas [2012]. Disponível em: . Acesso em: 07 out. 2018.

______. Desenvolvimento, complexo industrial da saúde e política industrial. Rev Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 40, número especial, p. 11-23, 2006.

GANDRA, A. Inca completa 500 cirurgias de câncer com uso de robô desde 2012. Empresa Brasil de Comunicação (EBC), Geral, 21 set. 2015. Disponível em: . Acesso em: 11 out. 2018.

HARVEY, D.17 contradições e o fim do capitalismo. 1 ed. São Paulo: Boitempo, 2016.

HOSPITAL SANTA PAULA. Uma evolução preocupante. Notícias, 06 jan. 2015. Disponível em: . Acesso em: 20 nov. 2017.

INCA. Carta de Serviços ao Cidadão. [2013]. Disponível em: . Acesso em: 13 out. 2018.

MENDES, Á. O fundo público e os impasses do financiamento da saúde universal brasileira. Saude soc. São Paulo, v. 23, n. 4, p. 1183-1197, Dez. 2014. Disponível em: . Acesso em: 14 nov. 2017.

MENDES, E.V. 25 anos do Sistema Único de Saúde: resultados e desafios. Estudos avançados. São Paulo: CEBRAP, 27 (78), 2013, p.27-34.

MENDES, E. C.; VASCONCELLOS. L. C. F. Cuidados paliativos no câncer e os princípios doutrinários do SUS. Saúde Debate. Rio de Janeiro, v. 39, n. 106, p. 881-892, jul./set. 2015.

OLIVEIRA, J.; TEIXEIRA, S.F (IM) Previdência Social – 60 anos de História da Previdência no Brasil. Rio de Janeiro: Vozes, 1985.

PEREIRA, T. D. Política Nacional de Assistência Social e território: enigmas do caminho. Rev. Katál. Florianópolis v. 13 n. 2 p. 191-200 jul./dez. 2010.

SACRAMENTO, H.T.; GENTILLI, R.M.L. Mundialização do capital e política de saúde: desafios para as práticas integrativas e complementares no SUS. R. Pol. Públ., São Luís, v. 20, n 1, p.103-120, jan./jun. 2016.



SANTOS, F.D. A.; THOMAZ, T. S. O hospital e sua centralidade no complexo industrial da saúde. Intellèctus, ano 15, n. 1, 2016.

TEIXEIRA, L.A. O controle do câncer no Brasil na primeira metade do século XX. História, Ciências, Saúde, Manguinhos, v.17, supl.1, p.13-31, jul. 2010.
Como Citar
ALCANTARA, Luciana da Silva; SILVA, Jorge Cavalcante da. O CÂNCER COMO DOENÇA CRÔNICA NÃO-TRANSMISSÍVEL E SUAS TENDÊNCIAS NO CAPITALISMO. Episteme Transversalis, [S.l.], v. 10, n. 1, abr. 2019. ISSN 2236-2649. Disponível em: <http://revista.ugb.edu.br/index.php/episteme/article/view/1303>. Acesso em: 19 jul. 2019.