A QUESTÃO DA HISTÓRIA ÚNICA E A CONSTRUÇÃO DA SUBJETIVIDADE DO ALUNO NEGRO

Revendo conceitos e traçando propostas

  • Irene Rodrigues de Oliveira
  • Aline de Oliveira Silva
  • Ana Kelly da Silva Santiago

Resumo

Este trabalho tem como objetivo analisar a presença da História Única, na disciplina de História, em sala de aula, no ensino médio, a partir de um estudo de caso. Quando se aplica a História Única, no currículo de história, reforçamos o conhecimento que classifica e segrega os alunos, baseado numa relação binária primitivo/civilizado, evoluído/atrasado, branco/preto, limpo/sujo que contribui para um racismo ideologicamente travestido. O que se propõe é a aplicação da ecologia dos saberes no que se refere à pluralidade do conhecimento como forma de evitar um olhar eurocêntrico e excludente. A partir dessa relação, analisaremos a sua importância na formação da subjetividade do aluno, para a construção do tornar-se negro, ato de tomar consciência da violência que se lhe é imposta, uma vez que ninguém nasce negro, torna-se negro. Nessa pesquisa de campo, utilizaremos a história oral, que sintetiza e analisa os depoimentos dando sentido ao processo de coleta de dados.

Como Citar
DE OLIVEIRA, Irene Rodrigues; SILVA, Aline de Oliveira; SANTIAGO, Ana Kelly da Silva. A QUESTÃO DA HISTÓRIA ÚNICA E A CONSTRUÇÃO DA SUBJETIVIDADE DO ALUNO NEGRO. Simpósio, [S.l.], n. 8, fev. 2020. ISSN 2317-5974. Disponível em: <http://revista.ugb.edu.br/ojs302/index.php/simposio/article/view/1963>. Acesso em: 20 jan. 2021.