JOGOS ESPECIAIS NO PRECESSO DE INCLUSÃO

  • UGB FERP UGB
  • Denis Luiz Miranda

Resumo

Os Jogos adaptados tiveram início através da reabilitação de soldados que sofriam vários tipos
de patologias decorrentes das batalhas como amputações, fraturas, torções, etc. O médico
responsável por um centro de reabilitação na cidade de Stoke Mandiville na Inglaterra, Dr.
Guttmann, foi incumbido de iniciar os jogos adaptados naquela cidade, sendo o arco e flecha
como sua primeira modalidade. No Brasil, tudo se iniciou através de dois atletas cadeirantes,
Sérgio Del Grande e Sampaio de Almeida que fundaram o Clube dos Paraplégicos de São
Paulo e o Clube do Otimismo - RJ respectivamente no mesmo ano de 1958. Ao decorrer dos
anos os jogos adaptados foram sendo aprimorados, adquirindo regras, novas modalidades,
mais adeptos até tomarem a proporção dos jogos Paralímpicos de hoje. O presente trabalho
objetivou os jogos no âmbito escolar. Estes jogos, diferentemente dos jogos de rendimento,
visam à participação, ou seja, que todos independentes de sua deficiência participem de
alguma modalidade com o fim de que ele seja integrado no meio, consequentemente na
sociedade. O Centro Universitário Geral Di Biasi (UGB), desenvolve em conjunto com seu
corpo docente e discente, estes jogos ao longo de 3 anos com participação das escolas e
instituições de nossa região. Desta forma procurou-se identificar nestes jogos a importância da
competição no processo de inclusão do deficiente.

Como Citar
FERP, UGB; MIRANDA, Denis Luiz. JOGOS ESPECIAIS NO PRECESSO DE INCLUSÃO. Simpósio, [S.l.], n. 2, out. 2017. ISSN 2317-5974. Disponível em: <http://revista.ugb.edu.br/ojs302/index.php/simposio/article/view/312>. Acesso em: 20 ago. 2022.